• André Boaratti

As últimas atualizações da ABNT



A ciência é uma linguagem universal, em que a transformação social por meio da produção de conhecimento deve ser feita em prol de toda a humanidade. Para isso, as várias culturas que fazem parte das nações diversas pelo mundo, precisam universalizar o modo como fazem ciência. Nesse sentido, a ABNT é muito mais do que apenas um órgão privado sem fins lucrativos voltado para a padronização das técnicas de produção. Trata-se de um órgão que contribui para o crescimento científico no país por meio do estabelecimento de normas que contribuem para ampliar a capacidade da ciência em resolver problemas pelo mundo.

Já pensou se cada pesquisador publicasse os resultados das suas pesquisas seguindo regras próprias? Para se chegar num resultado e para apresenta-lo, deve-se criar padrões. Não adianta somente chegar nos resultados, deve-se demonstrar como isso se deu. Ou seja, para levar a pesquisa ao conhecimento da comunidade científica, esse processo respeita padrões. Logo, a ABNT atua nesta questão.


Como a produção de conhecimento e todos os mecanismos envolvidos nessa questão sofrem alterações ao longo do tempo, a ABNT acompanha esse processo por meio de atualizações constantes. E isso não é diferente com as regras que norteiam a produção de TCC´s. Nesse sentido, a ABNT passou por mudanças recentes e significativas no rol das normas dos trabalhos acadêmicos.


É muito comum que as instituições de ensino levem um tempo até absorverem todas as mudanças. Os manuais de trabalhos acadêmicos que as instituições utilizam como referencial para que os alunos se baseiam para a produção dos seus TCC´s, muitas vezes podem estar desatualizados em relação à ABNT.


Mas isso não tira a obrigatoriedade de você fazer uma pesquisa seguindo os padrões atuais. Pelo contrário, você pode ser cobrado em banca, se o seu TCC está formatado de acordo com as normas mais atuais. Se caso não tiver, o seu trabalho corre o risco de ter a nota rebaixada, logo, você não pode correr esse risco. É nesse ponto que este artigo pretende te auxiliar: te colocar a par das últimas mudanças para que você verifique se o seu TCC está adequado ou não.


A norma da ABNT voltada para a padronização da elaboração de trabalhos acadêmicos é a ABNT NBR, a qual, é dividida em várias normas específicas que cuidam de cada parte do trabalho. Cada norma técnica possui um código específico, iniciado pela sigla NBR.


As principais normas para trabalhos acadêmicos são:


NBR 14724: cuida da elaboração de teses, dissertações, trabalhos de conclusão de curso (elementos pré-textuais, textuais e pós-textuais);


NBR 6022: versa as regras para artigos em publicação periódica científica impressa;


NBR 15287: aplicada às regras para a produção do Projeto de pesquisa;


NBR 6023: uma das mais importantes, responsável pela normalização das referências utilizadas no texto acadêmico;


NBR 10520: trata sobre as citações em documentos.;


NBR 6028: apresenta as regras que norteiam os resumos e redações.


A última atualização da ABNT para trabalhos acadêmicos ocorreu com a norma técnica NBR 6023, que passou por mudanças significativos no ano de 2018. As principais mudanças foram:


a) Inclusão da referência de Blog


A última atualização da ABNT para referência não versava sobre referência de Blog, o qual, era referenciado como Site nos trabalhos acadêmicos. A partir da última atualização, há uma forma específica de como referenciar Blog.


Segue um exemplo abaixo:


CID, Rodrigo. Deus: argumentos da impossibilidade e da incompatibilidade: In: CARVALHO, Mário Augusto Queiroz et al. Blog investigação filosófica. Rio de Janeiro, 23 abr. 2011. Disponível em: http://investigacao-filosofica.blogspot.com/search/label/Postagens. Acesso em: 23 ago. 2011.


b) Referência de Autores


Segundo a norma, quando houver quatro ou mais autores, todos devem ser indicados mas que é permitido indicar apenas o primeiro, seguido da expressão et al.


Segue o exemplo:


URANI, A. et al. Constituição de uma matriz de contabilidade social para o Brasil. Brasília, DF: IPEA, 1994.


Exemplo 02:


TAYLOR, Robert; LEVINE, Denis; MARCELLIN-LITTLE, Denis; MILLIS, Darryl. Reabilitação e fisioterapia na prática de pequenos animais. São Paulo: Roca, 2008.


c) Referência de entidade, como por exemplo IBGE


As obras publicadas por entidades, anteriormente, havia a necessidade de indicar a autoria por extenso. Mas a partir da atualização de 2018, elas podem ser tratadas pela forma conhecida ou como está grafado no documento, por extenso ou abreviada, conforme indica o exemplo abaixo:


IBGE. Amparo: região sudeste do Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: IBGE, 1983.


d) Uso do SUBLINHADO


Anteriormente era utilizado para substituir autores repetidos, mas a norma atual não versa mais sobre isso, logo não há necessidade da sua utilização.


e) Apresentação das referências bibliográficas


Dispostas em espaço simples, alinhadas à margem esquerda do texto e separadas entre si por uma linha em branco de espaço simples.


f) Indicação de links


Pela norma atual, não há mais necessidade da utilização dos sinais <> para mencionar links.

g) Uso de itálico


Expressões como “In” (que indica parte de uma obra) e “et al” (usada para indicar mais de 04 autores) devem estar dispostas em Itálico.


Outras mudanças significativas estão contempladas na nova norma, como modelo de referências para correspondências, eventos, atos administrativos normativos, documentos civis e de cartórios, conteúdos obtidos em redes sociais, etc.


Ficou curioso(a) em saber mais sobre elas? Entre em contato comigo que te enviarei um material completo sobre todas as mudanças!


professorboaratti@gmail.com

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now